Sobre

A leitura dos fatos relevantes nunca será, pelo bem da democracia, realizada sob a batuta da neutralidade. Aliás, constitui o centro mais feroz e a etapa mais fundamental dos desdobramentos de conflitos que ditam a realidade em todos os seus âmbitos, cultural, político, religioso, social, etc. E, como qualquer disputa travada no seio das sociedades capitalistas, sofre a pressão ferrenha de fatores com pouquíssimo, ou nenhum, apreço pelo debate franco. Predominam os oligopólios midiáticos e suas linhas editoriais predominantemente conservadoras na cobertura e interpretação dos fatos. É a mídia alavancada pelo poder econômico traduzido em produções de elevadíssimo padrão técnico e apelos sensacionalistas, simulando uma neutralidade que apenas compensa sua falta de sensibilidade social e joga para “escanteio” o enfrentamento dos conflitos, déficits e contradições que atingem cotidianamente os mais pobres e as minorias.

Nessa perspectiva, o site CONTRAVISÕES foi lançado com o intuito de difundir análises críticas acerca da conjuntura atual, sobre o Brasil ou sobre o exterior. Não pretendemos ser mais um jornal de notícias, mas um local onde você poderá encontrar um exame mais detido sobre os temas e manchetes mais debatidos da atualidade, obviamente feito sob uma ótima específica. Nosso objetivo é portanto o de oferecer uma leitura dos fatos que confronte as visões e interpretações dominantes.

Naquilo que diz respeito a nossa linha editorial, a orientação para a emancipação ancorada na defesa da democracia enquanto forma de vida e em uma perspectiva anticapitalista são princípios norteadores de nossa atuação, bem como a crítica ao racismo, a homofobia, e todas as formas de manifestação de preconceitos e/ou injustiças sociais.

Nosso trabalho é independente de legendas partidárias, contudo, não somos apartidários. Entendemos que a manifestação pública de pertencimento a organizações e partidos é uma conquista e produto de árduas disputas sociais e políticas ao longo da história.

De modo coerente com a defesa da democracia plena como valor universal, gostaríamos de usufruir da contribuição dos nossos leitores, que podem e devem enriquecer as análises aqui propostas com comentários e criticas. O trabalho da crítica, do negativo, é um trabalho paciente, progressivo, feito de conflitos e contradições.  Por isso, o diálogo e o confronto de idéias é de suma importância para a desconstrução das visões hegemônicas, dentro das quais todos nós crescemos e construímos nossa identidade. O único remédio é a elaboração de CONTRAVISÕES que contribuam para a desarticulação de nossas certezas mais irrefletidas e para a crítica das lógicas associadas ao sistema em voga.